VÁLVULA no MAAT

Para quem me pergunta frequentemente quando é que vou fazer espectáculo em Lisboa: na próxima quarta 5 outubro apresento com o Lbc Soldjah o nosso VÁLVULA às 17h30 no MAAT (sala dos geradores), integrando a programação do aniversário do MAAT (curadoria do teatro LU.CA). O espectáculo parte da história do graffitti e da cultura hip hop para fazer pensar sobre o direito à cidade, a propriedade privada, a legitimação da arte, os mecanismos da formação de opinião. Apesar de ter sido pensado para adolescentes, as quase 100 apresentações que já fizemos por todo o lado mostraram que são os adultos que vêm ter conosco no fim do espectáculo para agradecer o material de reflexão que lhes demos.

os meus cadernos

os meus cadernos são atelier ambulante, divã de psicanalista, perdidos & achados, caixote do lixo, livro de balanço | gosto da sua dimensão modesta e da liberdade desarrumada | os meus cadernos são a minha casa.

Passagem por Paris para dar a ver dois filmes meus na Maison Européenne de la Photographie, parte do evento Lisbonne sur Seine, que levou à cidade vários artistas portugueses que trabalham com projeção.

14

hoje é o dia dos 14 anos dela

em Dublin com Desmond Morris

A flutuar nas recordações dos últimos dias passados em Dublin para entrevistar Desmond Morris e desfrutar da sua coleção de objectos , das suas pinturas surrealistas e da galáxia de conhecimento que nos dá a ver.

porque faço livros?

Há quem me pergunte porque faço livros em vez de desenhos que se possam pendurar em paredes. Gosto da intimidade do livro, do cara-a-cara com o leitor, da solenidade do virar de página, da dualidade esquerda-direita. Gosto de o segurar nas mãos, de viajar com ele, de o passar para as mãos de muitas pessoas.

sonhos

há 25 anos que escrevo os meus sonhos / houve até um período em que programava o despertador para me acordar várias vezes durante a noite para os anotar / quando preciso de acertar a minha bússola emocional eles são a minha lanterna / duvido que alguma vez consiga inventar enredos tão surpreendentes quando estou acordado / já andava a pensar nisto há uns anos, e agora chegou a altura de eles fazerem parte do meu próximo livro.